FRASES DO DIA

quinta-feira, 1 de junho de 2017

ENTENDA O QUE É INTELIGÊNCIA EMOCIONAL E POR QUE ELA É IMPORTANTE PARA VOCÊ





Você provavelmente já ouviu e talvez esteja até acostumado a ouvir que pessoas com um maior quociente de inteligência – o famoso Q.I – são as que se dão melhor em suas carreiras profissionais. O que você talvez não saiba é que existe outro tipo de inteligência, a emocional, que parece ser o segredo por trás de muitas pessoas de sucesso.

Se esse tipo de inteligência é emocional, você já deve imaginar que não é o tipo de coisa que se aprende na escola nem depende de equações matemáticas ou fórmulas bizarras. Basicamente, inteligência emocional é a habilidade que uma pessoa tem de perceber, entender, avaliar e administrar suas próprias emoções e também as emoções dos outros, de maneira positiva.

Por mais que em um primeiro momento isso possa parecer fácil, administrar as próprias emoções não é exatamente a tarefa mais simples do mundo. É preciso autocrítica, reflexão, meditação e empatia – só para citar alguns fatores. Isso tudo afeta a maneira como nos comportamos, tomamos decisões e interagimos socialmente.

E se você acha que isso é tudo uma grande enrolação, saiba que a ciência já descobriu que pessoas com altos níveis de QI são superadas 70% das vezes por pessoas emocionalmente inteligentes. Basicamente, saber controlar suas próprias emoções, refletir sobre elas e colocar suas conclusões em prática pode fazer com que você se dê melhor do que o “gênio” da turma.

Aliás, que fique claro que não se trata de uma competição entre inteligências. O intuito aqui é talvez fazer com que você comece a observar que seus pensamentos têm uma lógica que talvez até você mesmo desconheça, e que buscar entender as próprias emoções é uma das atividades mais instigantes de todas.

Pessoas com uma inteligência emocional bem desenvolvida são geralmente consideradas autoconfiantes, persistentes, motivadas e capazes de controlarem a si mesmas. Não quer dizer, no entanto, que estamos falando de pessoas conhecidas como “meigas” ou “fofas” ou alguém que está à procura de aprovação constante – essa é uma confusão bastante comum.

De acordo com um expert no assunto, Travis Bradberry, pessoas com um nível alto de inteligência emocional procuram ser bem sucedidas, conseguem controlar suas emoções, têm um bom convívio social e constantemente avaliam suas próprias atitudes e seus pensamentos.

Pesquisas recentes já comprovaram: pessoas emocionalmente inteligentes são aquelas que mais se dão bem em seus ambientes de trabalho. Um desses estudos, só para você ter ideia da dimensão da coisa, avaliou a vida de 17 mil pessoas, desde quando eram crianças até chegarem à fase adulta, por um período de 50 anos. O resultado: as pessoas consideradas emocionalmente inteligentes eram mais bem sucedidas em suas profissões do que aquelas com grandes pontuações de QI.

E não acaba aqui! Há pesquisas que sugerem que pessoas que desenvolveram a inteligência emocional na adolescência ou no início de sua fase adulta não apenas têm sucesso em suas profissões como vivem relacionamentos amorosos longos e estáveis, além de apresentarem baixos níveis de depressão e ansiedade. Há evidências, inclusive, de que essas pessoas são até mesmo mais saudáveis.

Empatia

De acordo com o psicólogo Daniel Goleman, os cinco elementos que precisam ser trabalhados para o desenvolvimento de uma mente emocionalmente inteligente são: autoconhecimento, autocontrole, motivação, habilidades sociais e empatia.

Desses itens, o que pode ainda ser desconhecido é a empatia, que, de maneira geral, é a capacidade de se colocar no lugar de outra pessoa. Alguns cientistas sociais e políticos dizem que essa palavrinha pequena de significado imenso poderia melhorar muito o mundo no qual vivemos.

Duvida? Então que tal começar a pensar duas vezes antes de julgar alguma pessoa por seu status social ou por suas atitudes? Em algumas situações, só quem sente na pele como é passar por determinada experiência pode falar com propriedade sobre ela. E, sim, vale reforçar: esse tipo de exercício social pode fazer de você não apenas uma pessoa mais sensata, mas também uma pessoa de sucesso.

E você?

Ainda de acordo com Goleman, pessoas que exercitam as cinco características acima tendem a parecer confiantes, são boas naquilo que fazem profissionalmente, atingem seus objetivos, são adaptáveis e flexíveis. São pessoas resilientes e capazes de se recuperar de situações estressantes. “A vida é muito mais suave se você tem uma boa inteligência emocional”, resume o psicólogo.

Apenas profissionais da área de psicologia podem identificar com precisão se uma pessoa tem ou não um nível alto de inteligência emocional, ainda assim uma maneira popular de tentar descobrir como anda a sua inteligência emocional é avaliar sua capacidade de reconhecer expressões faciais. E aí, você é bom em saber o que alguém está sentindo apenas ao olhar as expressões faciais dessa pessoa?

Inteligência emocional e ambiente de trabalho

Estudos indicam que empresas tendem a promover funcionários bem-humorados e que têm uma boa relação com os outros, dois fortes indícios de inteligência emocional. Esse padrão muda um pouco quando olhamos para cargos de diretoria: no geral, são pessoas com os menores índices de inteligência emocional. Bizarro, não?

Ainda não se sabe ao certo por que isso acontece, mas acredita-se que essa baixa inteligência emocional tem a ver com o fato de que diretores e CEOs são profissionais que interagem pouco com os funcionários de nível básico e não entendem como suas decisões podem impactar os outros – de novo, uma questão de empatia.

Por outro lado, muitas grandes empresas já começaram a contratar funcionários com altos níveis de inteligência emocional, como é o caso da Força Aérea dos EUA, que tem recrutado pessoas por meio de testes emocionais, avaliando questões de empatia, assertividade, felicidade e autoconhecimento. Financeiramente falando, contratar esse tipo de pessoa significa, para a Força Aérea norte-americana, economizar US$ 3 milhões por ano.

Como melhorar a sua inteligência emocional

De acordo com uma publicação da Harvard Business Review, estes são comportamentos típicos de pessoas com baixa inteligência emocional. Se você tem algum deles, dá sempre para tentar mudar:
Você frequentemente tem a sensação de que os outros não entendem o que você fala e isso o deixa frustrado.

Você se surpreende quando as outras pessoas se sensibilizam com seus comentários e sempre acha que elas estão exagerando.

Você acha que ter uma boa relação com as pessoas do seu trabalho não é algo importante.

Você cria, com relação aos outros, as mesmas expectativas que tem sobre si mesmo.

Você culpa os outros pelos problemas que sua equipe de trabalho enfrenta.

Você acha irritante quando alguém espera que você saiba como ele está se sentindo.

E aí, você já tinha pensado sobre esse assunto? O que acha do tema? Conte para a gente nos comentários!