FRASES DO DIA

sábado, 6 de dezembro de 2014

FATORES QUE DETERMINAM A BAIXA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO




Pressão excessiva, desequilíbrio entre vida pessoal e profissional, falta de reconhecimento e liderança fraca são os aspectos mais determinantes para os funcionários estarem insatisfeitos com a sua qualidade de vida no trabalho. É o que revela levantamento realizado pela Love Mondays a maior comunidade de carreiras onde funcionários emitem opiniões anônimas sobre seu local de trabalho. 


A consulta, realizada em novembro deste ano a partir de 3139 opiniões de funcionários sobre qualidade de vida em seu local de trabalho, procurou identificar os fatores positivos e negativos para satisfação ou insatisfação dos profissionais no emprego. 

O estudo revelou que liderança fraca, desequilíbrio entre vida pessoal e profissional, falta de reconhecimento e pressão excessiva foram os fatores que mais pesaram negativamente para os funcionários que estão insatisfeitos com a qualidade de vida no trabalho.

"Sabemos que a qualidade de vida é um fator cada vez mais almejado por profissionais de todas as áreas. Essa insatisfação apresentada serve como um sinal de alerta pois pode ter um impacto negativo na produtividade do profissional", explica Luciana Caletti, CEO da Love Mondays. 

Por outro lado, os funcionários que estão satisfeitos com a qualidade de vida no emprego mencionam o bom ambiente de trabalho, oportunidades de progressão na carreira e o reconhecimento pelo seu desempenho profissional como fatores positivos. "Os dados deixam claro que sentir-se valorizado no ambiente profissional pesa muito para se ter qualidade de vida no trabalho. É um ponto importante a ser considerado pelas empresas que querem se destacar nesse aspecto", discorre Luciana. 

"A qualidade de vida no trabalho não tem um conceito estabelecido. Tudo depende do que cada profissional almeja para sua carreira e seu momento pessoal. Há muita gente que prefere abrir mão de um salário maior e buscar outras conquistas. Em contrapartida, há aqueles que miram um salário mais atraente e não se importam em trabalhar até altas horas. Cada profissional deve ter em mente que suas escolhas terão impacto direto em sua qualidade de vida. Cabe a cada um escolher qual caminho deseja trilhar e ter a consciência da escolha que fez", conclui a executiva.